Espanha

Regiões vitivinicolas da Espanha

Vinhos da Espanha

A Espanha, detentora da maior área cultivada em vinhedos (960 mil hectares) no planeta e o terceiro maior produtor de vinhos (44 milhões de hectolitros), sem dúvida, é um país de grande tradição vinícola e possui inúmeros vinhos de alta qualidade. Desconhecê-los é ignorar uma importante parte do maravilhoso mundo do vinho.

Se por um lado a área de vinhedos está sendo reduzida, por outro a vitivinicultura espanhola ao longo destes 30 anos tem-se modernizado, e buscando cada vez mais qualidade; e ao lado de seus vinhos tradicionais apresenta-se dinâmica e diversificada, nos brindando com vinhos de todos os estilos, dos alegres e frutados aos grandes vinhos de topo mundial.

O sistema de classificação regional dos vinhos espanhóis.

Temos 3 tipos básicos de classificação dos vinhos espanhóis:

1- Vinhos sem Indicação Geográfica

Vinho de mesa- Básicos, aonde não se pode indicar no rótulo a região, a uva e a safra.

51% dos vinhos espanhóis se situam nesta classificação.

2- Vinhos com Indicação Geográfica Protegida

IGP- Seguem regras menos rígidas que as DO, aonde 85% das uvas tem de ter procedência na região indicada no rótulo

VdlT- Vino de la Tierra- 47 VdlT

7% dos vinhos espanhóis se situam nesta classificação.

3- Vinhos com Denominação de Origem Protegida- São vinhos cuja qualidade e características são essencialmente e exclusivamente devidas a sua origem geográfica, com seus fatores humanos e culturais inerentes.

30% dos vinhos espanhóis se situam nesta classificação, espalhados por 85 zonas demarcadas.

As DOPs dividem-se em:

– D.O.Ca- Denominación de Origen Calificada- 02

a) Rioja

b) Priorat)

– D.O- Denominación de Origen- 68

– Vino de Pago Calificado- nenhuma

– Vino de Pago-18 (11 em Castilla-La Mancha, 3 em Navarra, 3 na Comunidade Valenciana e 1 em Aragón).

a) Arianzo- Navarra- Bodega Arianzo

b) Campo de La Guardia – Castilla La Mancha)- Bodega Martue

c) Casa del Blanco- Castilla La Mancha- Bodega Pago Casa del Blanco

d) Dehesa del Carrizal- Castilla La Mancha- Bodega Dehesa del Carrizal

e) Dominio de Vadepusa- Castilla La Mancha- Bodega Dominio de Vadepusa

f) El Terrerazo- Comunidad Valenciana- Bodega Mustiguillo

g) Finca Élez- Castilla La Mancha- Bodega Manuel Manzaneque

h) Florentino- Calstilla La Mancha- Bodega Pago Florentino

i) Guijoso- Castilla La Mancha- Bodega Sanches Moliteano

j) Los Balagueses- Comunidade Valenciana- Bodega Los Balagueses

k) Otazu- Navarra- Bodega Pago Otazu

l) Pago Aylés- Aragón- Bodega Pago Aylés

m) Pago Calzadilla- Castilla La Mancha- Bodega Pago Calzadilla

n) Prado de Irache- Navarra- Bodegas Irache

o) El Pago de Vallegarcia- Castilla la Mancha- Bodega Vallegarcia

p) Pago de la Jaraba- Castilla la Mancha- Bodega Pago de la Jaraba

q) Pago Los Cerrilos- Castilla la Mancha- Bodega Montalvo Vilmot

r) Vera de Estenas- Valencia- Bodega Vera de Estenas

– Vino de Calidad com indicación geográfica- 7 (4 Castilla Y León, 2 Andalucia e 1 Asturias)

a) Cangas- Asturias

b) Cebreros- Castilla y León

c) Granada- Andalucia

d) Lebrija- Andalucia

e) Sierra Salamanca- Castilla y León

f) Valles Benavente- Castilla y León

g) Valtiendas- Castilla y León

As variedades de uvas mais comuns na Espanha são:

– Brancas- Airén, Pardina, Macabeo (Viura) e Palomino.

– Tintas- Tempranillo, Bobal, Garnacha tinta e Monastrell.

As DO Rias Baixas, Valdeorras, Rueda, Bierzo e Montilla-Moriles vem ganhando bastante notoriedade com suas uvas autóctones de Albariño, Godello, Verdejo, Mencia e Pedro Ximénez respectivamente.

Tambem as castas internacionais, como a Cabernet Sauvignon, Merlot, Syrah, Sauvignon Blanc e Chardonnay vem sendo utilizadas nas suas diversas regiões, principalmente nas regiões de La Mancha, Navarra, Rueda e Catalunha.

Castas Espanholas

O sistema de classificação dos vinhos por tempo de amadurecimento e envelhecimento. Inicialmente na DOCa Rioja, e hoje cada vez mais adotada pelas demais DO, o sistema de classificação dos vinhos espanhóis leva em conta o tempo de amadurecimento (nas barricas de carvalho) e do tempo de envelhecimento (nas garrafas), alem das características organolépticas de cada tipo de vinho, que é verificado pelos Consejo Regulador de cada denominação.

Os 04 tipos de classificação para os vinhos tintos são:

Joven- Vinhos jovens, sem passagem por barrica, ou com tempo insuficiente para se classificar como Crianza, e que conservam suas características primárias, de frescor e frutado.

Crianza- Vinhos com pelo menos dois anos de estágio, dos quais ao menos 06 meses (em Rioja são 12 meses) em barricas de carvalho e complementado pelo envelhecimento em garrafas.

Reserva- Vinho superior das melhores safras, com pelo menos três anos de estágio, dos quais ao menos 12 meses em barricas de carvalho e complementado pelo envelhecimento em garrafa.

Gran Reserva- Vinho superior de safras excepcionais, com pelo menos cinco anos de estágio, dos quais ao menos 24 meses em barricas de carvalho e complementado pelo envelhecimento em garrafa.

Como podemos ver, podemos encontrar vinhos espanhóis de todos os estilos, para todas as ocasiões e para todos os bolsos, aonde podemos nos deparar com vinhos de excelente custo/beneficio em todas as suas faixas de preço.

Não deixe de conhecer e provar estes vinhos e se encante com um Jerez Fino acompanhando um Jamon; com a alegria borbulhante de um Cava;  o frescor de um Albariño, um Rueda ou um Godello acompanhando uns mariscos ou um polvo a galega; dos tintos leves e frutados a base de Tempranillo, Bobal ou Monastrell a acompanhar uma Paella mista; dos clássicos Rioja, Ribera del Duero, Toro com seus diferentes nomes para a Tempranillo, que com seu sabor de frutas vermelhas e um tostado maravilhoso farão par perfeito para um cordeiro ou um leitão assado; os grandes vinhos do Priorat, com a garnacha e homens ajoelhados na pizarra e olhos para o céu, exprime no seu iodado/terroso o significado da devoção a um Terroir; a excelência das castas francesas, seja em Conca de Barbera, Navarra ou Malpica.

Vinho, na sua diversidade está o seu encanto; no compartilhar com a família e os amigos, a felicidade; acompanhado de um boa refeição, o deleite; não é a toa que faz bem para o corpo e para alma.

Regiões vinícolas


CENTRO

Castilla La Mancha

Extremadura

Madrid

Murcia

Valencia



La Mancha
Esta D.O. é a mais extensa região vinícola do mundo (170 mil hectares) e situa-se ao sul de Madrid, entre as cidades de Toledo e Albacete. Produz vinhos simples, ligeiros e de bom frescor, tanto brancos como tintos varietais e rosés.
Uvas permitidas:
Uvas Brancas: Airén, Mabaceo, Pardillo e Verdoncho
Uvas Tintas: Cabernet Sauvignon, Cencíbel, Garnacha e Moravia

Méntrida
Situa-se entre as cidades de Madrid, Toledo e Ávila e possui vinhos rosés frutados e tintos jovens, potentes e encorpados, feitos principalmente à base de Garnacha.
Uvas permitidas:
Uvas Tintas: Garnacha, Tinto Basto (Tinto de Madrid ou Tempranillo) e Cencíbel


Mondéjar
É a mais nova D.O. (1996) e fica a sudoeste e próxima à cidade de Guadalajara, ao norte de Madrid. Seus vinhos são tintos de médio corpo e brancos ligeiros.
Uvas permitidas:
Uvas Brancas: Macabeo, Malvar e Torrontés
Uvas Tintas: Cabernet Sauvignon e Cencíbel (Tempranillo)


Valdepeñas
Fica próxima às D.O.s Méntrida e La Mancha ao sul da cidade de Toledo e seus vinhos principais são tintos de qualidade, jovens e de crianza, e brancos ligeiros à base de Aíren.
Uvas permitidas:
Uvas Brancas: Airén e Macabeo
Uvas Tintas: Cabernet Sauvignon, Cencíbel (Tempranillo) e Garnacha


Vinos de Madrid
Situa-se nos arredores de Madrid e seus vinhos mais importantes são tintos robustos, um pouco rústicos, elaborados com Tempranillo e Garnacha, brancos saborosos feitos com Malvar e rosés potentes e frutados à base de Garnacha.
Uvas permitidas:
Uvas Brancas: Airén, Albillo, Malvar, Parellada, Torrontés e Viura
Uvas Tintas: Cabernet Sauvignon, Garnacha, Merlot e Tempranillo (Tinto Fino ou Cencíbel)



NORDESTE

Aragón

Catalunha

La Rioja

Navarra

Pais Vasco


Engloba as províncias do País Basco e da Cataluña e está inscrita no polígono formado pelas cidades de San Sebastian, ao norte, Zaragoza, ao sul, Logroño, a oeste, e Gerona a leste. Nessa área estão localizadas dezoito regiões D.O.: Alella, Bizkaiko-Txakolina (ou Txacoli de Vizcaya), Calatayud, Campo de Borja, Cariñena, Cava, Conca de Barberá, Costers del Segre, Empordà-Costa Brava, Getariako-Txakolina (ou Txacoli de Guetaria), Navarra, Penedés, Pla de Bages, Priorat, Rioja, Somontano, Tarragona e Terra Alta.


Alella
Está logo acima de Barcelona nas colinas ao longo do litoral mediterrâneo. Produz, principalmente, vinhos brancos aromáticos, secos ou suaves. Possui também rosés saborosos e tintos frutados, especialmente os varietais à base de Merlot.
Uvas permitidas:
Uvas Brancas: Garnacha Blanca, Pansá Blanca, Pansá Rosada e Xarel-lo
Uvas Tintas: Cabernet Sauvignon, Garnacha, Garnacha Peluda, Merlot e Ull de Llebre (Tempranillo)


Bizkaiko-Txakolina (Txacoli De Vizcaya)
Situada no extremo norte, no coração do País Basco, entre as cidades de Vitoria, a capital, e Bilbao. Esta pequena D.O. faz, principalmente, os conhecidos txakoli brancos de qualidade e, também, um pouco de rosés e tintos ligeiros.
Uvas permitidas:
Uvas Brancas: Hondarrabi Zuri e Folle Blanche
Uva Tinta: Hondarribi Beltza


Calatayud
Localiza-se na província de Aragon perto de Zaragoza. Produz, principalmente, vinhos rosés de qualidade da uva Garnacha, com bela cor, frescos e ligeiros, bem como tintos típicos da mesma variedade.
Uvas permitidas:
Uvas Brancas: Macabeo, Malvasía, Moscatel Blanco e Garnacha Blanca
Uvas Tintas: Garnacha, Mazuela, Monastrell e Tempranillo


Campo de Borja
Vizinha de Calatayud está entre as cidades de Zaragoza e Logroño. Aqui os vinhos mais importantes são os tintos de qualidade feitos com a uva Garnacha, semelhantes aos vinhos de Cariñena, região vizinha. Há também rosés de Garnacha e alguns brancos.
Uvas permitidas:
Uvas Brancas: Macabeo (Viura) e Moscatel Romano
Uvas Tintas: Cabernet Sauvignon, Cencibel (Tempranillo), Garnacha e Mazuela


Cariñena
Vizinha de Campo de Borja no centro-norte, ao sul de Zaragoza e produz tintos robustos, bons rosés, brancos e fortificados (vinos de licor).
Uvas permitidas:
Uvas Brancas: Garnacha Blanca, Macabeo (Viura), Moscatel Romano e Parellada
Uvas Tintas: Cabernet Sauvignon, Cencibel (Tempranillo), Garnacha, Juan Ináñez, Mazuela e Monsatrell

DO Cava


Empordá-Costa Brava
Situa-se no ponto extremo do nordeste do Mediterrâneo nos Pirineus, fazendo fronteira com a França, perto da cidade de Girona. Os vinhos mais importantes são o Garnatxa d’Empordà, um vinho doce natural, e os rosés frutados, refrescantes e de bela cor, mas produz também tinto de médio corpo.
Uvas permitidas:
Uvas Brancas: Chardonnay, Garnacha Blanca e Macabeo
Uvas Tintas: Cabernet Sauvignon, Cariñena, Garnacha, Merlot e Ull de Llebre (Tempranillo)


Getariako-Txakolina (Txacoli De Guetaria)
Está na costa norte, perto da cidade de San Sebastian, na fronteira com a França. Seu principal vinho é o Txakoli de Getaria, branco de qualidade, elaborado com a uva Hondarrabi Zuri.
Uvas permitidas:
Uva Branca: Hondarrabi Zuri
Uva Tinta: Hondarribi Beltza


Navarra
Região vizinha de Rioja ocupa a região centro-norte, entre as cidades de Vitória, Logroño e Pamplona. É famosa pelos seus bons rosés de Garnacha, mas possui também bons vinhos brancos, alguns fermentados em barrica, e tintos de Garnacha palatáveis.
Uvas permitidas:
Uvas Brancas: Viura, Moscatel, Chardonnay e Malvasía
Uvas Tintas: Garnacha, Tempranillo, Merlot, Cabernet Sauvignon e Graciano


Penedés
Situada na costa nordeste do mediterrâneo, entre Barcelona e Tarragona, forma, junto com Rioja, Ribera del Duero, Jeréz e Priorat, o grupo de elite das D.O.s espanholas. Produz tintos macios de qualidade de uvas nativas e estrangeiras com destaque para a Cabernet Sauvignon. Os brancos são leves e frescos para consumo rápido, mas faz também muitos Chardonnay fermentados em barrica mais estruturados. Produz também bons rosés frutados, muitos dos quais de boa qualidade, competindo com os de Navarra.
Uvas permitidas:
Uvas Brancas: Chardonnay, Macabeo, Xarel-lo, Parellada e Subirat Parent
Uvas Tintas: Cabernet Sauvignon, Cariñena, Garnacha, Merlot, Monastrell, Pinot Noir, Samsó e Ull de Llebre (Tempranillo)


Pla de Bages
Localiza-se na comarca de Bages, ao norte de Barcelona e próxima às cidades de Manresa e Lleida. Seus vinhos assemelham-se aos da vizinha D.O. Penedés.
Uvas permitidas:
Uvas Brancas: Chardonnay, Macabeo, Parellada e Picapoll (Autóctone)
Uvas Tintas: Cabernet Sauvignon, Garnacha, Merlot e Ull De Llebre (Tempranillo)


Priorato
Vizinha das duas D.O. anteriores situa-se também na Costa do Mediterrâneo, entre Barcelona e Tarragona. É a D.O. que mais se tem destacado, sobretudo pela alta qualidade de seus vinhos tintos. Robustos, elegantes, com aromas complexos e grandes caráter e estrutura na boca, esses vinhos têm recebido grande consagração dos conhecedores de todo o mundo. Além dos belos tintos, produz bons brancos e rosés razoáveis.
Uvas permitidas:
Uvas Brancas: Garnacha Blanca, Macabeo e Pedro Ximénez
Uvas Tintas: Cabernet Sauvignon, Cariñena, Garnacha Tinta, Garnacha Peluda e Mazuela


Rioja
Localizada no norte, compreende a região do vale do rio Ebro, entre as cidades de Haro, a oeste, Logroño, no centro e Altaro, a leste, e está próxima de Vitoria, a capital do País Basco. Divide-se nas seguintes sub-regiões: Rioja Alta, a oeste, entre Haro a Logroño; Rioja Alavesa, pequena sub-região ao norte da anterior; Rioja Baja, a leste, entre Logroño e Altaro.
Rioja foi a primeira região vinícola a projetar os vinhos espanhóis no mercado mundial e possui a maior produção do país, produzindo cerca de trezentos e cinqüenta milhões de quilos de uvas e quase duzentos milhões de litros de vinho! Foi também a primeira região a adotar as tipificações Crianza, Reserva e Gran Reserva, hoje adotadas na maioria das regiões.
Recentemente passou a ter a denominação mais diferenciada D.O. Calificada, para a qual todos os vinhos devem ser engarrafados no distrito de Rioja.
Produz essencialmente tintos de qualidade, encorpados e leves (Claretes) e pequenas quantidades de brancos e rosés. Alguns tintos envelhecidos (Crianza, Reserva e Gran Reserva), particularmente os Marqueses (Marqués de Riscal, Marqués de Arienzo, Marqués de Murrieta, etc) são muito conhecidos e, juntamente com outros vinhos da Rioja pertencem à elite dos vinhos espanhóis.
Uvas permitidas:
Uvas Brancas: Garnacha Blanca, Malvasía e Riojana Viura
Uvas Tintas: Garnacha, Graciano, Mazuelo e Tempranillo


Somontano
Situada parte central dos Pirineus, nos arredores da cidade de Huesca próxima a Zaragoza, esta D.O. apresenta tintos bem estruturados, brancos de qualidade e rosés agradáveis.
Uvas permitidas:
Uvas Brancas: Alcañon, Chardonnay, Garnacha Blanca, Gewürztraminer e Macabeo
Uvas Tintas: Cabernet Sauvignon, Garnacha Tinta, Merlot, Moristel, Parraleta, e Tempranillo


Tarragona
Vizinha da D.O. Penedés, na costa mediterrânea, em torno da cidade de mesmo nome, esta D.O. produz, além do Tarragona clássico licoroso, tintos potentes e brancos e rosés ligeiros.
Uvas permitidas:
Uvas Brancas: Garnacha Blanca, Mabaceo, Parellada e Xarel-lo
Uvas Tintas: Garnacha, Mazuela e Ull de Llebre (Tempranillo)


Terra Alta
Vizinha da D.O. anterior, no nordeste espanhol, Terra Alta elabora principalmente brancos de razoável complexidade. Além disso, produz também tintos encorpados, rosés ligeiros e alguns vinhos fortificados.
Uvas permitidas:
Uvas Brancas: Garnacha Blanca, Macabeo e Parellada
Uvas Tintas: Cariñena, Garnacha Negra, Garnacha Peluda, Mazuela e Ull de Llebre (Tempranillo)


NOROESTE

Asturias

Cantábria

Castilla y León

Galicia

SUL

Andaluzia

Jerez 

Ilhas

Ilhas Baleares

Ilhas Canarias

Um site WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: