Hungria

História

As sementes mais antigas de Vitis sylvestris na Hungria, foram encontradas nas escavações da cultura Tiszapolgár (Tiszapolgár-Româneşti culture-3300–3100 AC) e estimadas em 5.300 anos. E a descoberta mais antiga de Vitis vinífera data de 1.300 AC, na região de Sopron.

Os gregos mantinham relações comerciais com a região húngara, através do rio Danúbio e exerceram grande influência na viticultura da região, tendo sido mencionado assentamentos na região de Sopron por volta de 175 DC, na obra Geographia de Ptolomeu.

Como parte da província da Panônia, os romanos produziam vinho no que hoje é o território da Hungria e sua influência vai até por volta de 500 DC.

Magiares

Povoações fino-úgricas no quarto milênio a.C. situavam-se a leste dos Urais, tendo os ugrianos (ancestrais dos magiares) deslocados para as estepes da Sibéria ocidental, a partir de 2 000 AC, aprendendo a agricultura, a pecuária e a trabalhar o bronze, e por volta de 1 500 AC, começam a criar cavalos e a montá-los.

No início do primeiro milênio a.C., os ugrianos tornaram-se pastores nômades e, com a partida dos ob-ugrianos em cerca de 500 a.C., passaram a ser um grupo étnico distinto, os proto-magiares.

Nos séculos IV e V DC os protos-magiares deixam a área de estepe no sudeste dos Urais e se mudam para a região da atual Bashkiria (Bascortostão).

No início do século VIII, parte dos proto-magiares deslocam-se para a região entre o rio Don e o mar de Azov, e se submetem ao Khazar Khanate, ficando súditos do khan e deixando aos poucos o nomadismo.

Segundo a tradição, os magiares organizaram-se em sete tribos, chamadas Jenő, Kér, Keszi, Kürt-Gyarmat, Megyer (Magyar), Nyék e Tarján.

Em torno de 830, devido a uma guerra civil no canato, os magiares e três tribos cabares deslocaram-se para a região entre o rio Dniepre e os Cárpatos.

Entre 895-896, os magiares começaram a atravessar os Cárpatos na direção oeste, sob a liderança do chefe tribal Árpád.

Dedicando-se inicialmente a incursões e ataques por toda a Europa (da Dinamarca à Península Ibérica), os magiares tiveram a sua expansão bloqueada na Batalha de Lechfeld em 955.

O Estado por eles criado na bacia dos Cárpatos recebeu a aprovação do Papa em 1001, com a conversão ao cristianismo dos líderes e o reconhecimento de Estêvão I como rei da Hungria.

A viticultura existente foi fortemente revitalizada pelo cristianismo.

Em 1241, os mongóis devastaram o país sob Batu Khan, de modo que o rei Béla IV (1235–1270) trouxe muitos imigrantes alemães, valões e italianos para o país despovoado.

A primeira menção aos municípios vinhateiros ou aldeias de montanha remonta a 1271, e menções relacionadas com a origem dos vinhos, e especialmente o Livro de Leis da Cidade de Buda que remonta a 1244, atestam a qualidade dos vinhedos maduros e a prática da lei do vinho.

No final da Idade Média, a Hungria floresceu sob reis como Sigismundo de Luxemburgo (rei desde 1387) ou Matthias Corvinus, que foi eleito pela pequena nobreza (1458-1490).

Os imigrantes deram um novo impulso à viticultura local através do conhecimento trazido de outras regiões vitivinícolas, tendo trazido novas variedades de uvas, sendo que a maior parte da produção era de vinhos brancos neste período.

Com a morte de Ludwig II na Batalha de Mohács (1526), uma grande parte da Hungria foi conquistada pelos otomanos.

No século XVI, os vinhos tintos eram produzidos a base da autóctone Kadarka; sendo a principal uva do vinho servido aos defensores do castelo de Eger em 1552, cuja resistência e bravura levou a lenda que bebiam vinhos misturado com sangue de touro, aonde o nome Bikavér (Sangue de Touro) só foi cunhado em 1846 pelo poeta János Garay.

Foi também durante a ocupação turca que a região de Tokaj ficou conhecida pelos vinhos de sobremesa, colhidos tardiamente para estimular a podridão nobre.

Tokaji aszú é mencionado em um documento de 1571 e foi batizado por Luís XIV da França (1638-1715) “Vinum Regum, Rex Vinorum” – Vinho dos Reis, Rei dos Vinhos.

Depois que o Império Otomano cedeu a Hungria aos austríacos em 1699, a influência germânica foi sentida com a introdução de variedades de uvas como a Blauer Portugieser.

No início em 1730, em Tokaji, tem-se a primeira classificação de vinhedos do mundo, com base no solo, aspecto climáticos e propensão à podridão nobre.

Em 1836 um comitê foi criado para prevenir as más práticas enológicas e o predecessor do atual Instituto Nacional de Qualificação de Vinhos foi fundado em 1875.

A fim de melhorar o comércio de vinho, a Seção Enológica da Associação Econômica Nacional Húngara publicou os Pedigrees Enológicos de 1879. Os vinhos foram descritos por categoria, juntamente com dados de análises químicas.

A partir de 1882, a epidemia de filoxera atingiu duramente a Hungria, dizimando os tradicionais vinhedos field blend de Eger e de Tokaji e também causando muitos focos de falsificações e nos anos de 1888 a 1892 muitos debates para manter a qualidade dos vinhos húngaros.

Em 1897 é aprovada a Lei da Aldeia de Montanha (hegyközségekről szóló törvényt), uma das mais duras e abrangentes regulamentação sobre vinhos da Europa.

Na retomada pós-filoxera novas variedades foram introduzidas, principalmente a eslovena Kékfrankos (Blaufränkisch) e as bordalesas para vinhos tintos.

Em Tokaji manteve a autóctone Furmint e sua filha Hárslevelü e a grega Muscat Lunel (Muscat a Petit Grains Blancs)

O século XX viu a introdução de uvas modernas como a Zweigelt (Kékfrankos X Saint Laurent), que eram mais fáceis de cultivar e vinificar do que a Kadarka.

Sob o comunismo, a lei da Aldeia de Montanha foi extinta em 1948 e a qualidade foi negligenciada em favor do cultivo excessivo, pasteurização e produção industrial.

Desde 1989, com o fim do comunismo, tem havido um interesse renovado nas variedades tradicionais e muitos novos investimentos, particularmente emTokaj-Hegyalja.

Em 27 de dezembro de 1994 a Lei da Aldeia de Montanha voltou a ser aplicada.

No início do século XXI foram estabelecidas as 22 regiões vitivinícolas da Hungria, os quais foram complementados em 2004, com as categorias de vinhos por menções de origem.

Em 2009, a União Europeia unificou o sistema de classificação de vinhos feito por seus países membros, e com o objetivo de facilitar aos consumidores a compreensão da qualidade do vinho europeu, o vinho foi dividido em três categorias, com base na sua origem: a Denominação de Origem Protegida (DOP) de mais alta qualidade, a Indicação Geográfica Protegida (IGP), e o vinho sem menção de origem geográfica na sua base.

Cada estado membro pode traduzir os nomes das categorias para seu próprio idioma; os franceses chamam de Appellation d’origine protégée (AOP) e os húngaros as chamam de Oltalom alatt álló Eredetmegjelölés (OEM).

A produção de vinhos na Hungria era de 11 milhões de hectolitros entre 1986 a 1990, caiu para 4 milhões de hectolitros entre 1991 e 1999, para 3 milhões de hectolitros em 2005 e para 2,5 milhões de hectolitros em 2011; nesta última década apresenta um ligeiro crescimento de produção.

Hoje a Hungria tem 65.000 hectares de vinhedos implantados, dos quais 60.000 hectares em produção, que proporcionam 270 milhões de litros de vinhos anuais, sendo 70% de vinhos brancos e 30% de vinhos tintos.

Deste total 37% são exportados (30% para a Eslováquia) e 63% ficam no mercado interno, tendo os húngaros um consumo per capita de 21,2 litros/ano.

Classificação dos vinhos húngaros

Bor- Vinho de mesa– Produzido em toda região da Hungria

OFJ- “Oltalom alatt Földrajzi Jelzés”

Indicação Geográfica Típica

Produzido especificamente dentro de 06 regiões geográficas: Baloton, Balotonmelléki, Duna-Tisza Közi, Dunántúl, Felsö-Magyarország e Zemplén.

OEM- “Oltalom alatt álló Eredetmegjelölés”

Denominação de Origem Protegida- Produzido especificamente dentro de 32 OEM/PDO.

DHC- Védett Eredetü ou Districtus Hungaricus Controllatus

é uma subcategoria dentro da DOP, criada em 2003 para zonas vitivinícolas mais especificas e com maiores restrições, tendo de se candidatar ao controle do HNT (Hegyközségi Nemzeti Tanácsa) https://www.hnt.hu/, com um conjunto específico de regras criadas pela própria região, para seus vinhos. Estas regras dizem respeito à densidade da plantação, rendimentos, castas, envelhecimento mínimo, recipientes para envelhecimento, entre outros, que procuram demonstrar o estilo e tipicidade próprio destas regiões.

Hoje temos sete regiões com status de DHC, sendo provável que este números aumente nos próximos anos

Eger DHC – abrange toda a região; também inclui o Egri Bikavér DHC e Egri Bikavér Superior DHC.

Debrői Hárslevelű DHC – Sub-região de Eger PDO.

Villány DHC – abrange toda a região.

Somló DHC – Sub-região do Nagy Somló PDO e Inclui Somló Nászéjszakák bora DHC e Somlói Arany DHC.

Káli Medence DHC – Esta é uma área na margem norte do Lago Balaton.

Izsáki Arany Sárfehér DHC – A sub-região do Kunság PDO.

Tokaji DHC —Inclui vinhos máslás, fordítás, szamorodni, aszú e eszencia.

Regiões

As regiões vinícolas da Hungria são divididas em 22 regiões, que por sua vez são agrupadas em 06 macro regiões.

Região do Lago Balaton

Esta macro região possui 02 PGI (Balaton PGI e Balatonmelléki PGI) e 10 PDO

Possui um total de 9.594 hectares de vinhedos.

BADACSONY PDO

1326 hectares de vinhedos, sendo 1.125 de variedades brancas e 201 de variedades tintas.

BALATONBOGLÁR PDO

3.449 hectares de vinhedos, sendo 2.357 de variedades brancas e 1.092 de variedades tintas.

BALATON-FELVIDÉK PDO

750 hectares de vinhedos, sendo 645 de variedades brancas e 105 de variedades tintas.

BALATONFÜRED-CSOPAK PDO

1.853 hectares de vinhedos, sendo 1.349 de variedades brancas e 504 de variedades tintas.

Climate: sunny, mediterranean
Soil: crystal slate, sandstone, limestone, sand
Grape varieties:  Olaszrizling, Rhine Riesling, Rizlingszilváni, Tramini, Muscat Ottonel, Sauvignon Blanc, Chardonnay, Cabernet Franc, Zweigelt, Merlot, Pinot Noir

CSOPAK PDO

108 hectares de vinhedos

Soil- The bedrock consists of Upper Permian and Lower Triassic rocks overlain by a mantle of Quaternary debris. Typical soils in the area are luvisols, although one characteristic and unique soil is red forest soil, with a high concentration of iron oxide, which is formed by the weathering of Permian sandstone. The soils of the appellation are characterised by high levels of calcium, magnesium and potassium.

Grape varieties- Olasz rizling and Furmint

KÁLI PDO

453 hectares de vinhedos

Soil- The bedrock of the hills and elevations consists of Triassic basalt, Permian red sandstone, limestone and a range of sand and marly clay from the Pannonian-Pontic period. This is covered, to a large extent, by a volcanic complex. Although the geological structure is basically volcanic, it is also quite diverse.

Grape varieties- Olasz rizling, Szürkebarát, Chardonnay, Pinot noir, Irsai Olivér, Zenit, Tramini, Juhfark, Zöld veltelíni, Kéknyelu

NAGY-SOMLÓI PDO

514 hectares de vinhedos, sendo 493 de variedades brancas e 21 de variedades tintas

SOMLÓ PDO

354 hectares de vinhedos

Soil- The volcanic butte is covered by Pannonian sediments (sand, gravel and clay) of Tertiary and Quaternary origin, which, mixed with basalt, basalt tuff and calcareous tuff, constitute the bedrock of the vineyard area. The region’s characteristic brown forest soils, noted for their good water retention abilities, were formed on this weathered bedrock.

Grape varieties- Furmint, Hárslevelu, Juhfark, Tramini, Olasz rizling

TIHANY PDO

77 hectares de vinhedos

Soil- The Tihany range is a seven million-yearold volcano, whose soils were formed on tufa bedrock, which is extremely rich in minerals, thus providing structure and ageability in red wines.

Grape varieties- Cabernet franc, Cabernet sauvignon, Kékfrankos, Kékoportó, Merlot, Pinot noir, Zweigelt, Syrah

ZALA PDO

710 hectares de vinhedos, sendo 565 de variedades brancas e 145 de variedades tintas

Soil- It is characterised by brown forest soils, luvisols, rendzina, stony and earthy barren land as well as some sandy-clay sediments covered with loess.

Grape varieties- Olasz rizling, Cabernet sauvignon, Chardonnay, Rajnai rizling, Rizlingszilváni, Zöld veltelíni, Zweigelt

Região Norte TransDanubia

Esta macro região possui 05 PDO e um total de 5.263 hectares de vinhedos.

ETYEK-BUDA PDO

1696 hectares de vinhedos, sendo 1.426 de variedades brancas e 270 de variedades tintas.

MÓR PDO

492 hectares de vinhedos, sendo 464 de variedades brancas e 28 de variedades tintas.

NESZMÉLY PDO

958 hectares de vinhedos, sendo 848 de variedades brancas e 110 de variedades tintas.

Climate: cool, rainy, windy
Soil: loess, limestone, forest soil
Grape varieties: Sauvignon Blanc, Irsai Olivér, Ezerjó, Chardonnay

PANNONHALMA PDO

593 hectares de vinhedos, sendo 479 de variedades brancas e 114 de variedades tintas.

Climate: moderately dry, moderate heat, short winter
Soil: loam, loess, forest soil
Grape varieties: Olaszrizling, Rizlingszilváni, Irsai Olivér, Királyleányka, Cserszegi Fűszeres

SOPRON PDO

1524 hectares de vinhedos, sendo 306 de variedades brancas e 1.218 de variedades tintas.

Região Pannonia

Esta macro região possui 05 PDO, no total de 7.491 hectares.

PANNON PDO

Engloba toda a região, na qual as 04 PDO abaixo estão inseridas.

PÉCS PDO

581 hectares de vinhedos, sendo 437 de variedades brancas e 144 de variedades tintas

Climate: warm winter, dry summer, extreme amount of sunshine
Soil: loess
Grape Varieties: Kadarka, Kékfrankos, Merlot, Cabernet Franc, Chardonnay, Olaszrizling

SZEKSZÁRD PDO

2.220 hectares de vinhedos, sendo 342 de variedades brancas e 1.878 de variedades tintas.

TOLNA PDO

2.300 hectares de vinhedos, sendo 1.300 de variedades brancas e 1.000 de variedades tintas.

Climate: warm winter, dry, sunny summer
Soil: loess, forest soil
Grape varieties: Chardonnay, Olaszrizling, Zöld veltelini, Rizlingszilváni, Rhine Riesling, Kadarka, Kékfrankos, Zweigelt, Cabernet Sauvignon.

VILLÁNY PDO

2.390 hectares de vinhedos, sendo 443 de variedades brancas e 1.947 de variedades tintas

Região Norte Hungria

Esta macro região possui 04 PDO, no total de 13.305 hectares de vinhedos

BÜKK PDO

873 hectares de vinhedos, sendo 554 de variedades brancas e 319 de variedades tintas

Climate: cool, sunny
Soil: rhyolite tuff, loess
Grape varieties: Chardonnay, Olaszrizling, Leányka, Kékfrankos, Cserszegi Fűszeres, Turán

DEBRÖI HÁRSLEVELÜ PDO

542 hectares de vinhedos

Soil- The region is characterised by andesite bedrock, mostly overlain with sandy and humus soil, although there are also occasional patches of clay and brown forest soil.

Grape varieties– Hárslevelű

EGER PDO

5652 hectares de vinhedos, sendo 1.972 de variedades brancas e 3.680 de variedades tintas.

MÁTRA PDO

6.238 hectares de vinhedos, sendo 4.818 de variedades brancas e 1.420 de variedades tintas.

Climate: low wind, protected from severe conditions
Soil: vulcanic soil, sand, loess
Grape varieties: Rizlingszilváni, Olaszrizling, Muscat, Szürkebarát, Kékfrankos, Zweigelt, Cabernet Sauvignon

Região Danubio

Esta macro região possui 07 PDO, num total de 24.090 hectares de vinhedos

CSONGRÁD PDO

941 hectares de vinhedos, sendo 518 de variedades brancas e 423 de variedades tintas.

Climate: dry, sunny, extreme heat in the summer
Soil: sand, loess
Grape varieties: Kékfrankos, Rhine Riesling, Kövidinka, Zweigelt

DUNA PDO

Engloba toda a região.

HAJÓS-BAJA PDO

1.836 hectares de vinhedos, sendo 1.196 de variedades brancas e 640 de variedades tintas

KUNSÁG PDO

20.354 hectares de vinhedos, sendo 16.602 hectares de variedades brancas e 3.752 de variedades tintas.

IZSÁKI ARANY SÁRFEHÉR PDO

397 hectares de vinhedos

Soil- Its soils are somewhat varied; while most of the area is characterised by calcareous, sandy soils (humus and drifting sand), the subsoil is buried prairie soil with some patches of calcareous loess. One peculiarity of sandy soils is that they warm up quickly and their bright colour better reflects sunlight, hence aiding grape ripening. Moreover, since they contain more than 75% quartz, they are also immune to phylloxera.

Grape varieties- Arany sárfehér

MONOR PDO

392 hectares de vinhedos

Soil- The soils were formed during the Upper Pleistocene and are typically 10-30 metre-thick loess, sandy slope loess and loessal sand, as well as drifting sand and windblown bound sands. The topsoil is reddish brown forest soil and carbonate residual forest chernozem soil. These contain large amounts of dolomite and a small amount of illite clay minerals and are characterised by a relatively low iron and aluminium conten.

Grape varieties- Rajnai rizling, Cabernet sauvignon, Kékfrankos, Chardonnay, Olasz rizling, Szürkebarát, Ottonel muskotály, Zöld veltelíni, Irsai Olivér, Cabernet franc

SOLTVADKER EZERJÓ PDO

170 hectares de vinhedos

Soil- Soils in the region are varied, mostly consisting of calcareous sandy soils (humus and drifting sand), while the subsoil is buried prairie soil with patches of calcareous loess. One peculiarity of sandy soils is that they warm up quickly and their bright colour better reflects sunlight, hence aiding grape ripening.

Grape varieties- Ezerjó

Região Tokaj

Esta macro região possui somente 01 PDO.

TOKAJ PDO

5.478 hectares de vinhedos, sendo 5.464 de variedades brancas e 14 de variedades tintas.

Um site WordPress.com.

Acima ↑

<span>%d</span> blogueiros gostam disto: