Rondelini recheado com damasco ao molho de brie, damasco e nozes, acompanhado de shitake

Ingredientes:

– 250 g de Rondelini recheado com damasco

– 200 g de Shitake

– 50 g de damasco seco

– 1 talo de alho porró

– 1 cebola média

– 4 folhas de salvia

– vinho branco de boa qualidade

– cibolette

– manteiga

– azeite

– alho

– sal

– pimenta do reino

– farinha de trigo

– 300 ml de creme de leite fresco

– 150 g de queijo brie de boa procedência

– 20 g de nozes

Modo de fazer:

Refogado de Shitake

– Numa frigideira adicione o azeite e um pouco de manteiga, adicione o alho, a cebola, metade do alho porro, o shitake, 100 ml de vinho e refogue pingando agua até ficar macio. Reserve

Molho de Brie, Damasco e Nozes

– Com antecedência de 30 minutos faça uma marinada de damasco picados, metade do alho porró e as folhas de salvia com um pouco de vinho branco. Reserve

– Numa panela pequena (de preferência grossa), coloque uma colher de manteiga e uma colher de farinha de trigo e faça um roux; adicione o creme de leite e misture com um fuet até obter um molho liso.

– Adicione a marinada de damasco, abaixe o fogo e deixe cozinhar por 5 minutos, acrescentando agua se necessário.

– Adicione o brie picado e incorpore no molho; adicione as nozes moídas e deixe cozinhar por 5 minutos.

– Acerte o sal e pimenta e acrescente a cibolette.

– Está pronto, reserve.

Raviolini de Brie.

– Eu compro a massa pronta de um excelente fornecedor (Massas da Iza), pois não faço massa e nem doces, já que sou incapaz de seguir receita a risca. – Cozinhe rapidamente os raviolinis em agua/sal até subirem a superfície e sirva imediatamente, acrescentando o shitake e o molho

Harmonização com vinhos:

Com o Jerez fino não ficou bom, com o Grapolli di Grillo, embora já passado e com notas oxidadas ficou bom principalmente pelo brie e nozes; na minha lembrança acredito que o Deiss Schoenenbourg, ou a Dom Perignon 1990 teriam ficado excelente; um Egon Muller Riesling Scharzhofberger Kabinett, F.X.Pichler Riesling Smaragd Dürnsteiner Kellerberg ou mesmo um Coulée de Serrant teriam ficado muito bom, a testar.

Outros vinhos que eu teria curiosidade de testar com pratos destas linhas são os novos semillon da américa latina, principalmente o Certezas do Michelini.

Um site WordPress.com.

Acima ↑

<span>%d</span> blogueiros gostam disto: